Minha história: Giovanna Lester

E foi assim que tudo começou.

O cruzeiro foi desvalorizado mais uma vez. A Kontik Franstur demitiu um catatau de funcionários e eu estava entre eles. Era abril de 1980.

Eu tinha acabado de receber meu diploma de professora de inglês como segundo idioma e tinha debaixo do braço as experiências como intérprete e tradutora no escritório. Não era muito, mas atraiu a atenção de minha amiga e depois também mentora, Luíza que me convidou para ajudá-la com uma tradução. Meu primeiro trabalho pago no ramo.

Topei sem nem saber o que era – o bolso vazio gritava mais alto que a razão.

Chego a nosso escritório de mentirinha – sua sala de jantar. Na mesa sentava imposta uma Olivette Lettera elétrica. Será que alguém ainda se lembra da daisy-wheel removível, fita com corretor, memória. Peraí, aqui é a minha que está falhando. Não havia memória.

Pois é. Errou, tem que apagar letrinha por letrinha usando a fita corretora que não dava sugestão de novas palavras, nem fazia observações gramaticais ou de estilo. E depois, redatilografar.

Foi com a Luíza que descobri sight-translation. Ela lia em inglês o texto originalmente escrito em português, enquanto eu datilografava. Depois era a minha vez. Foram 500 páginas (contagem do original) de um grant request de uma universidade paulista de renome à Kellogg Foundation.

Assim que, na verdade, tive dois começos. Só que um foi mais marcante.

De lá para cá, foram 34 anos. Aprendi muito e continuo aprendendo – este é um dos aspectos de nossa profissão que mais me atrai.

Já fiz de tudo um pouco como tradutora e intérprete. Algumas coisas me marcaram mais que outras: ser certificadora para a American Translators Association (ATA) na direção português-inglês, cofundadora e presidente (2011-2012) da nova Seção da ATA na Flórida que nasceu na minha sala de jantar (2009), há pouco trabalhei no World Economic Forum (inglês<>português<>inglês). Há também as menos glamorosas: fazer interpretação me debruçando sobre cadáveres para melhor descrever procedimentos cirúrgicos, cirurgias ao vivo por transmissão remota, casos de imigração por telefone e ao vivo…

É muita história. E ainda há muita para criar.

Giovanna Lester é autora, tradutora e intérprete no par inglês<>português e reside em Pinecrest, Flórida (EUA).
LinkedIn | Twitter: @cariobana