Minha história: Jéssica Alonso

Ao escolher o curso de Letras na USP eu acreditava que ele me traria as bases necessárias para que fosse possível seguir a tão sonhada carreira de tradutora. Doce ilusão. Embora o curso tenha sido ótimo e nele eu tenha começado a aprender alemão (idioma com o qual trabalho com bastante frequência e que me abriu muitas portas) e aprofundado meus conhecimentos de literatura (de que gosto muito), as poucas aulas de tradução de alemão serviram apenas como um tira-gosto sobre o fazer tradutório (um tira-gosto excelente graças às aulas do querido João Azenha).

Como já era formada em ballet clássico, cursava maitre de dança e dava aulas de ballet e jazz havia dois anos, segui por bastante tempo esse caminho: estudava Letras e ensinava as pequenas bailarinas em diversas escolas de ensino regular. E, durante todo o período acadêmico, mantive-me afastada da tradução lecionando dança em escolas, sendo recepcionista trilíngue da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha e professora auxiliar no currículo de imersão em língua alemã da Educação Infantil de uma grande escola de São Paulo.

Ao me formar, porém, decidi que era uma boa hora para aprofundar meus conhecimentos de alemão, fator que eu sabia ser importante para obter maior sucesso na tradução do idioma. Assim, morei um ano como au pair em Düsseldorf, na Alemanha, na casa de uma família alemã, cuidando das crianças e estudando o idioma.

Ao retornar para o Brasil em agosto de 2011, estava decidida a entrar de cabeça nas traduções. Ainda sem conhecer muito sobre esse fascinante mundo, passei em um teste para ser revisora interna de uma agência de tradução em São Paulo, oportunidade ideal para começar a conhecer e entender como as coisas funcionam no mercado. Após um ano, o trabalho de revisão no escritório deu lugar às traduções feitas em casa e foi então que entrei no grupo Tradutores e Intérpretes do Facebook; e ele me abriu os olhos. Com tanta gente experiente e disposta a ajudar, pude de fato compreender o mercado, os valores, os processos. Descobri a infinidade de blogs que abordam as diferentes facetas da tradução e com eles aprendi muito. Passei a integrar o quadro de tradutores de agências do Brasil e do exterior.

Olhando para meu percurso hoje, em abril de 2014, fico contente com o que já conquistei: larguei as aulas de alemão (as de dança não, são minha outra paixão!), conheci pessoas incríveis graças à participação em eventos da área e ao envolvimento com a moderação do grupo do Facebook, acabei de concluir a pós-graduação e obter o título de especialista em Tradução de Inglês e faço legendagem – uma vontade antiga que pôde se concretizar ano passado. Porém, olhando para frente, ainda tenho muito para alcançar: a tão sonhada tradução literária, o domínio completo de algumas ferramentas essenciais ao tradutor, o aperfeiçoamento sempre contínuo que é necessário. Por isso, a vontade de aprender e continuar conhecendo gente competente e disposta é enorme. Quem sabe a gente não se encontra em algum evento tradutório para trocar figurinhas sobre tradução, alemão… e dança?

Jéssica Alonso é tradutora de inglês e alemão e atua principalmente nas áreas farmacêutica, automobilística e jornalística. Reside em São Paulo – SP.
E-mail: jessicatradutora@gmail.com | ProZ