Minha história: Valter Mendes Jr.

Sempre digo que entrei no mundo da tradução por amor. Não por amor à tradução, exatamente. Afinal, quando criança, nunca sonhei em ser tradutor e, crescido, formei-me em História. No entanto, sempre gostei de idiomas e, autodidata que sou, aprendi a falar inglês sozinho, graças aos jogos de videogame que sempre me acompanharam. Só que minha motivação era puramente intelectual, não prática.

Eis que entra o amor: namorava uma menina que recebeu uma proposta irrecusável para trabalhar em São Paulo. Eu, por amor, aceitei embarcar junto nessa aventura na metrópole. Chegando lá, precisava arrumar um emprego. Comecei a comprar jornais para procurar, entre os diversos anúncios dos classificados, algum em que me encaixasse minimamente. Vi um anúncio para revisor de textos, mandei um currículo e recebi uma resposta pedindo que fosse até lá fazer uma entrevista.

Imaginava que seria uma agência de publicidade querendo um revisor de português e que eu passaria por uma daquelas dinâmicas de grupo típicas de entrevistas de emprego – até tinha na ponta da língua a resposta “abelha” ou “formiga” para a pergunta sobre qual animal gostaria de ser, já que elas trabalham em equipe. Cheguei lá e nada era o que eu pensava: tratava-se de uma agência de tradução querendo um revisor de traduções e não havia dinâmica alguma, mas vários testes que envolviam traduções, versões e perguntas de múltipla escolha sobre gramática.

Passei no teste e comecei a trabalhar dentro da agência, revisando textos. Foi o melhor início que poderia ter com tradução, pois aprendi tudo que precisava para começar a traduzir, com muito contato com terminologias especializadas e com a ajuda dos meus colegas. Logo comecei a traduzir e cheguei a ser gerente de projetos. Estava tudo ótimo profissionalmente, mas eu e minha namorada terminamos nosso namoro. Voltei a Porto Alegre e passei a trabalhar em casa para a agência, com carteira assinada e tudo. Esse período foi ótimo para que eu criasse uma rotina de trabalho – afinal, precisava acompanhar o horário da agência.

Veio a crise econômica e fui demitido para cortar gastos; queriam continuar trabalhando comigo, então abri uma empresa. Com ela, veio a liberdade de procurar outros clientes, maiores, melhores e mais distantes, e novas experiências dentro do mundo da tradução. E eu lá, aceitando os desafios e cada vez mais apaixonado pela profissão em que havia entrado, meio sem querer, mas de onde não queria sair de jeito nenhum. Sete anos depois, tenho a vida que quero graças à tradução e também sou professor – uma forma bacana de repassar a outras pessoas o que aprendi nesses anos todos.

Tem uma música da Legião Urbana que diz: “Só nos sobrou do amor a falta que ficou”. Para mim, o que sobrou de um amor (aquele, que me fez ir a São Paulo) foi outro amor, pela tradução, e que me faz ir aonde quero.

Valter Mendes Jr. é tradutor de inglês, português e espanhol, residente em Porto Alegre, RS.
E-mail: valtermjunior@yahoo.com.br | Skype: valter-alltasks | Linkedin